Meio no Meio é uma criação de Victor Hugo Pontes, que reflete um processo de três anos com um grupo intergeracional proveniente de quatro territórios – Almada, Barreiro, Lisboa, e Moita – ao qual se vieram juntar outros intérpretes profissionais, num trabalho que combina e retrata diferentes percursos artísticos dos que estão em cena. Acompanhando a vida destes participantes ao longo de três anos, atravessados por uma pandemia, Meio no Meio parte das ideias de percurso e de expectativa; de memória e autobiografia; e do movimento incessante de corpos levados ao limite por Victor Hugo Pontes

 

1. Territórios

MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-44
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-40
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-43
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-42

Quem não conhece a região e olhar no mapa os quatro territórios do Meio no Meio – Trafaria (Almada), Barreiro antigo, Marvila (Lisboa) e Vale da Amoreira (Moita) –, todos à beira do Tejo ou perto das suas margens, poderá pensar que são lugares físicos próximos entre si e relativamente próximos em linha reta do centro histórico da capital. Mas isso é apenas no plano abstrato do mapa. Na experiência quotidiana, estes são lugares sociais periféricos na área metropolitana de Lisboa, estabelecidos nos interstícios da malha urbana. Quem habita estes bairros e trabalha ou convive no centro da cidade dedica horas diárias nas deslocações, em especial se o fizer nos transportes públicos.

Marvila e Vale da Amoreira são bairros municipais de realojamento, implantados em zonas de vazio urbano, ou melhor, em zonas onde a construção urbana faz fronteira com resquícios do espaço rural às portas da cidade – onde faltam infraestruturas ou espaço público habitável e resistem hortas e o rebanho ocasional. O Segundo Torrão (Trafaria, Almada) é um bairro de autoconstrução, cuja história os habitantes mais antigos fazem remontar a cabanas de pescador utilizadas para veraneio de moradores de bairros populares de Lisboa; panorama que se alterou bastante em décadas mais recentes, com a chegada de populações migrantes em busca de trabalho e que aí se instalam em condições precárias. No Barreiro antigo, as marcas da antiga vila operária, as suas associações culturais históricas, mas também um edificado por vezes degradado, devoluto ou ocupado, coexistem com a frente ribeirinha virada para Lisboa suspensa num processo de qualificação por acontecer.

Os quatro bairros são diversos entre si e representam diferentes momentos históricos da formação de periferias urbanas em torno de Lisboa, neste século e no século xx. Dentro das diferenças, há um traço comum: a importância dos fluxos migratórios na configuração dos territórios. A experiência migratória – pessoal ou familiar – é comum entre os participantes do Meio no Meio: nuns casos, o deslocamento da província para a capital, talvez envolvendo uma experiência de emigração; noutros, a imigração de outros países (em especial países africanos lusófonos) para Portugal, que pode até ser apenas um ponto de passagem na diáspora.

Essa experiência coletiva de trânsito entre espaços e tempos é uma das matérias biográficas recriadas na prática artística do Meio no Meio.

MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-39
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-38
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-37
MnM_EncontroPartilha_Fev2020_Barreiro © BrunoCastro-41

|||||||||||||||

2. Ao longo do caminho – o primeiro ano

Neste momento, agora, dois anos e meio depois de termos iniciado em conjunto um caminho de descoberta e experimentação, a pergunta é inevitável:

– Será mesmo possível que o "Meio no Meio" esteja a aproximar-se do fim?

Somos cerca de 60 participantes neste projeto, habitantes de 4 bairros diferentes na região de Lisboa –  alguns chegados de partes diferentes do país e do mundo, uns há muito e outros há pouco tempo. O caminho começa em algum lugar e aconteceu desta vez na primavera de 2019, com a formação de teatro no Barreiro; alguns jogos, muita improvisação e, quase sem darmos por isso, a primeira apresentação pública à comunidade, um exercício dramatúrgico sobre memórias e experiências pessoais – iremos fazer este trabalho várias vezes nos próximos tempos, de diferentes maneiras e usando várias linguagens artísticas.

Antes de chegar o verão, a formação de cinema na Trafaria, entre o escuro da sala onde se viram alguns clássicos do cinema ou documentários e a calçada cheia de sol onde se filmou a curta "Bilingueiros" – aí está para ser vista. No outono, a formação de hip-hop no Vale da Amoreira. Alguns de nós vinham com experiência, e tinham já rimas feitas e até views no youtube; não sabíamos bem, outros de nós, o que era ou podia ser… até que começaram as battles – e aí fomos todos para o estúdio, todos atrás das M'n'M Power Girls! E no final do ano, a formação de artes visuais em Marvila explorou diferentes suportes, mais uma vez em torno de materiais autobiográficos e da representação de si – através de muitas diferentes imagens, exceto selfies... Entre estas formações, o núcleo de dança, primeiro no Barreiro e depois nos outros bairros – tempo curto, intensidade total.

E assim passou o primeiro ano. Na verdade não, ainda não, no momento em que se estava a completar o primeiro ano, acontece a oportunidade de mostrar o projeto a um público desconhecido do "Isto é Partis" – uma energia brutal. Não sabíamos na altura, mas logo a seguir, poucas semanas depois, ia começar a pandemia que veio virar tudo do avesso…

0701_∏ Jose Caldeira
012_projecto Meio no Meio (aula Hip-Hop)_©brunosimao_
0002_(c) Jose Caldeira (1)
MnM_ArtesPlasticas_Artemrede_Barreiro © BrunoCastro-9
MnM_Teatro_Artemrede_Almada © BrunoCastro-10

||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||||

3. Ao longo do caminho – o ano da peste

De repente pára tudo, como em todo o lado à nossa volta. Já estava a começar uma nova formação de cinema, preparava-se também a de teatro, ficou tudo parado.

A pergunta – e agora?

Vamos ter de parar, vamos ter de recomeçar, temos de nos encontrar – mas como? Alguma solução terá de se encontrar, vamos ter de experimentar qualquer coisa nova, temos de nos encontrar… E assim hoje e muitas vezes ao longo dos próximos meses, sempre a experimentar hipóteses de trabalho – será que abre? quando é que abre? –, sempre a recomeçar quase do zero, mas não exatamente do ponto zero, à procura de um passo adiante. Sempre a procurar uma forma de não parar, de não ficar para trás, de ninguém ficar para trás.

Também como em todo o lado à nossa volta, a primeira tentativa de resistência foi mergulhar no mundo aos quadradinhos das teleconferências e grupos de mensagens, só para nos vermos, para dizer que estamos cá, mesmo se distantes, próximos. Nem todos temos o computador que é preciso, ou o telemóvel, ou a rede, ou os dados, ou o tempo, ou a companhia, ou o conforto. Mais que nunca, o contato é preciso. E durante algumas semanas vamos fazendo e inventando esse simulacro à distância, teatro nos écrans, coreografias inteiras na expressão facial, vídeos em cadáver esquisito, retratos encenados em que trocamos de pele uns com os outros – enganar o tempo, prosseguir.

Na breve interrupção do verão e outono, voltámos a encontrar-nos, já advinhávamos que era um reencontro curto, mas um reencontro, uma maneira diferente de estar, encontros mais pequenos, grupos contados pelos dedos, a permanente vigilância dos gestos, mas um reencontro.

E ainda assim, a descoberta, novos ciclos, de novo a dança, o cinema, o teatro, as artes visuais, o hip-hop. O grupo divide-se e junta-se, conseguimos levar o caminho do meio.

Por fim, conseguimos encontrar-nos todos outra vez num domingo de sol à tarde em Marvila, por caminhos conhecidos e desconhecidos. Parece que passou já muito tempo, mas não é o fim.

||||||||||||||||||||||

4. Rituais artísticos

"Cada um e cada uma pode fazer o exercício enquanto se sentir confortável."

O início começa pelo princípio e nas primeiras formações o início são jogos para quebrar o gelo, dizer o nome, criar o grupo. O exercício mais simples é formar uma roda, todos dizerem o nome à vez, memorizar todos os nomes, chamar um nome e trocar de lugar, sair de jogo se falha o nome.

Outro dia mais adiante, talvez até numa formação diferente, trazer um objeto de casa, associar ao nome, contar um episódio da história pessoal. A cada passo uma estória com uma memória mais vincada, uma sucessão de episódios, uma narrativa de si, várias narrativas, às vezes a brincar, às vezes a sério. Outras vezes não é uma narrativa, é um desenho, fotografia – outras vezes é uma cena improvisada, uma estória falsificada, uma biografia inteira inventada, uma rima rap que parece fado à desgarrada, pedacinhos de história.

Já na fase final do projeto, depois das formações artísticas, durante a residência de criação do espetáculo, há um regresso a esses exercícios iniciais de apresentação de si – antes de mais o nome, o que há num nome? qual é a história do nome? Mas agora já não é apenas dentro do grupo, não é apenas para quem já é conhecido, é para o público – e é já amanhã.

Agora no palco, já não é exatamente a história de cada um, quem sabe?, talvez a estória tenha acontecido mas com outro nome noutro lugar, será verdade?, talvez não tenha acontecido exatamente assim, mas foi sentida assim e só assim pode ser contada – talvez seja uma história mais verdadeira?

Talvez o retrato seja mais verdadeiro quando nos pomos no lugar do outro.

O palco é um lugar sagrado?

"Boa noite, isto passa-se antes de começar."

0063_© Jose Caldeira
RUI TELMO GOMES

Rui Telmo Gomes | Investigador CIES-Iscte

"Há cerca de dois anos e meio começou o projeto Meio no Meio, tema do projeto de investigação sobre práticas artísticas participativas que comecei ao mesmo tempo. O plano previa dois anos de formações artísticas em diferentes áreas (dança, teatro, artes visuais, cinema, hip-hop) e um terceiro ano dedicado à montagem de um espetáculo original. Tomei parte nas formações com os restantes participantes e fiz de público nos ensaios antes de haver público. Esse era o plano, mas claro, o que aconteceu até agora não podia ser previsto. Estas são algumas notas que fui tomando". 

Rui Telmo Gomes é investigador integrado do CIES-Iscte. Doutorado em Sociologia (2013, Iscte-Instituto Universitário de Lisboa). Desenvolve investigação nos domínios da sociologia da arte e cultura, privilegiando temas como: processos artísticos participativos; profissões artísticas e do setor criativo; políticas culturais. É membro da equipa do OPAC - Observatório Português das Atividades Culturais. O seu projeto de investigação sobre o Meio no Meio será publicado em 2021.

 

O ESPETÁCULO

Direção Artística Victor Hugo Pontes Texto Joana Craveiro Cenografia F. Ribeiro Música Marco Castro e Igor Domingues (Throes + The Shine) Direcção Técnica e Desenho de Luz Wilma Moutinho Figurinos Catarina Pé-Curto e Victor Hugo Pontes Vídeo Maria Remédio Apoio Dramatúrgico Madalena Alfaia Interpretação Alegria Gomes, Benedito José, Dúnia Semedo, João Pataco, Leopoldina Félix, Luís Nunes, Maria Augusta Ferreira, Mavatiku José, Nérida Rodrigues, Paulo Mota, Ricardo Cardoso Teixeira, Rolaisa Embaló, Sidolfi Katendi, Teresa Amaral, Valter Fernandes, Yana Suslovets Direção de Produção Joana Ventura Produção Executiva Mariana Lourenço

Coprodução Artemrede, Nome Próprio e São Luiz Teatro Municipal Parcerias Municípios de Almada, Barreiro, Moita, Lisboa, Rumo-Cooperativa Social, CIES-IUL – Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa Apoio à Residência Artística Centro de Experimentação Artística Apoio PARTIS III – Fundação Calouste Gulbenkian e República Portuguesa - Cultura I DGARTES – Direção-Geral das Artes

 

APRESENTAÇÕES EM TERRITÓRIOS ARTEMREDE

ALMADA   |   Teatro Municipal Joaquim Benite   |   11 (20h00) e 12 (16h00) setembro 2021
BARREIRO   |   Auditório Municipal Augusto Cabrita   |   2 e 3 julho 2021
LISBOA   |   São Luiz Teatro Municipal   |   22, 23 (20h00) e 24 (17h30) outubro 2021
MOITA   |   Fórum Cultural José Manuel Figueiredo   |   4 e 5 junho 2021

 

Os Participantes

Duas gerações, quatro territórios, memórias e motivações sem conta.

VALTER FERNANDES_20210424 R054 cred_VeraMarmelo1560px

Valter Fernandes

Maia

TERESA D_AMARAL_20210422 R014 cred_VeraMarmelo1040px

Teresa Amaral

Moita

LUIS NUNES_Barreiro cred_VeraMarmelo1040px

Luís Nunes

Barreiro

AUGUSTA FERREIRA_20210508 032 cred_VeraMarmelo 1040px

Maria Augusta Ferreira

Lisboa

YANA SUSLOVETS_20210429 039 cred_VeraMarmelo1040px

Yana Suslovets

Barreiro

SIDOLFI KATENDI (SI)_20210519 096 cred_VeraMarmelo1560px

Sidolfi Katendi

Almada

JOÃO PATACO_20210424 R030 cred_VeraMarmelo875px

João Pataco

Estremoz

AlegriaGomes4_Moita cred_VeraMarmelo - Cópia1560 pixel

Alegria Gomes

Moita

20210519 175 cred_VeraMarmelo1040px

Victor Hugo Pontes

Porto

cropped-20210424-R073-cred_VeraMarmelo_1040px.jpg

Benedito José

Almada

ROLAISA EMBALÓ_Moita_cred_VeraMarmelo1444px

Rolaisa Embaló

Moita

DÚNIA SEMEDO_20210519 152 cred_VeraMarmelo1560px

Dúnia Semedo

Almada

PAULO MOTA_20210424 R013 cred_VeraMarmelo1487px

Paulo Mota

Santa Cruz do Bispo

RICARDO CARDOSO TEIXEIRA_20210508 077 cred_VeraMarmelo1040px

Ricardo Teixeira

Lisboa

NÉRIDA RODRIGUES_20210519 084 cred_VeraMarmelo1560px

Nérida Rodrigues

Barreiro

DINA FÉLIX_20210519 038 cred_VeraMarmelo965px

Leopoldina Félix

Lisboa

MAVATIKU JOSÉ (MAVÁ)_20210519 127 cred_VeraMarmelo1040px

Mavatiku José

Almada

Meio No Meio é o projeto da Artemrede selecionado no âmbito da 3ª edição do programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian. Desenhado para um período de 3 anos (2019 - 2021), o projeto para a inclusão social através de práticas artísticas conta com a direção artística do coreógrafo Victor Hugo Pontes e com a parceria da Nome Próprio, da RUMO-Cooperativa Social (acompanhamento social), do CIES-IUL | Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa (estudo de impacto) e de 4 municípios associados da Artemrede: Almada, Barreiro, Moita e Lisboa.

Meio No Meio envolve jovens entre os 16 e os 25 anos e adultos com mais de 45, oriundos de quatro meios distintos: bairro do 2º Torrão da Trafaria (Almada), Barreiro Antigo, Vale da Amoreira (Moita) e Marvila (Lisboa).

Em 2019 e 2020, os participantes tiveram acesso a várias ações de formação e pesquisa em cinco disciplinas artísticas (teatro, cinema, artes visuais, música Hip-Hop e dança), coordenadas por artistas oriundos destes territórios e pela direção artística.

These artists-trainers are Catarina Pé-Curto (visual arts, Almada), Carina Silva (drama, Barreiro), Mário Ventura (cinema, Moita), Nuno Varela ( Rap/Hip-Hop, Lisboa) and Victor Hugo Pontes himself (dance - discipline that makes the project come together).

Em 2021, o Centro de Experimentação Artística do Vale da Amoreira (Moita) acolheu a residência de criação do espetáculo multidisciplinar Meio No Meio, que representa o culminar de um trabalho de três anos e que se apresenta nos quatro municípios participantes. O espetáculo conta ainda com a coprodução do São Luiz Teatro Municipal, em Lisboa.

Todo o processo de formação e criação foi registado e dará origem a uma longa-metragem documental a estrear em breve.

Meio no Meio is Artemredes' second project in the framework of the PARTIS initiative. The first one, ODISSEIA, was based in 6 municipalities and resulted in a show (E Agora Nós!, by Rui Catalão), (Histórias em Viagem, from Radar 360º) and a film-concert (Curtas-Migratórias, by António-Pedro/Caótica).

Screenshot 2021-08-16 at 11.51.20
English (UK)