×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 129

Lisboa

Loading…
  • 0
  • 1
  • 2

Nascida de uma "citânia" localizada a norte do atual Castelo de S. Jorge, local onde a cidade se começou a formar, Lisboa é a capital do país. A sua história foi construída em torno do rio Tejo e da sua importância enquanto porto de reabastecimento para barcos que faziam o comércio entre o Mar do Norte e o Mediterrâneo. O Terramoto de 1755, a Implantação da República e o 25 de Abril de 1974, foram momentos marcantes para a vida e desenvolvimento da cidade, que mais recentemente, em 2014, foi alvo de uma reorganização administrativa - a mais profunda reforma do poder local desde a instituição do poder local democrático em 1976 – tendo o número de freguesias passado de 53 para 24.

Território: 100,1 km2
População: 520549 individuos
Associado desde: Fevereiro 2016

Site: www.cm-lisboa.pt
Facebook: www.facebook.com/camaradelisboa

Arquivos

O Arquivo Municipal de Lisboa, um dos maiores do país, é detentor de um acervo documental desde o século XIII à atualidade. 
Fisicamente dividido entre Campolide, Arco do Cego, Largo do Calvário e Rua da Palma, tem à sua guarda documentos de extrema relevância para o estudo da cidade.

1. Arquivo Municipal de Lisboa 

2. Arquivo Municipal de Lisboa, Arco do Cego

3. Arquivo Municipal de Lisboa Fotográfico

4. Arquivo Municipal de Lisboa Videoteca 

  


Site: arquivomunicipal.cm-lisboa.pt/pt/
Facebook: www.facebook.com/arquivo.mun.lisboa


Bibliotecas

A Rede de Bibliotecas de Lisboa (BLX) é constituída por 16 bibliotecas geridas no âmbito do Programa Estratégico Biblioteca XXI. A gestão da Rede BLX  é partilhada, na medida em que sete bibliotecas e um auditório estão sob a gestão de Juntas de Freguesia, enquanto outras 10 bibliotecas, bem como a gestão das competências fundamentais para o funcionamento da rede BLX, estão sob gestão da CML.

  1. Biblioteca Belém 

  2. Biblioteca Camões 

  3. Biblioteca Coruchéus 

  4. Bibliotecas Itinerantes 

  5. Biblioteca de Marvila (em construção)

  6. Biblioteca Orlando Ribeiro

  7. Biblioteca Palácio Galveias 

  8. Biblioteca Penha de França 

  9. Biblioteca Por Timor 

10. Biblioteca-Museu República e Resistência

11. Hemeroteca Municipal

Site: blx.cm-lisboa.pt/redeblx
Facebook: www.facebook.com/BibliotecasdeLisboa


 

Ateliês

Inaugurado em 1971, no bairro de Alvalade, junto ao Palácio dos Coruchéus, e integrando 48 ateliês, o Complexo dos Coruchéus foi construído pelo município de Lisboa e pensado como “o primeiro conjunto de ateliês, na cidade, para proteção e incitamento a artistas plásticos”.

Desde 2010 que a Câmara Municipal de Lisboa quer dinamizar os ateliês municipais e mostrá-los ao público. Para além do Complexo dos Coruchéus, a autarquia é detentora de outros ateliês nos Olivais, igualmente  a artistas que se têm candidatado, nos Olivais e n bairro do Rego

1. Ateliês dos Olivais (4 ateliês)

2. Ateliês dos Coruchéus (48 ateliês)

3. Ateliês do Rego (6 ateliês)

 

Residências

Inseridas no Pólo Cultural Gaivotas | Boavista

Facebook: https://www.facebook.com/poloculturalgaivotas


Outros equipamentos culturais e serviços estruturantes

1.   Gabinete de Estudos Olisiponenses 

O Gabinete de Estudos Olisiponenses (GEO) foi criado em 1954 pelos Serviços Culturais da Câmara Municipal de Lisboa (CML) para possibilitar o estudo e a divulgação da história de Lisboa, devendo grande parte do seu acervo inicial ao Eng.º Augusto Vieira da Silva (1869-1951), olisipógrafo de renome que, no intuito de ceder a sua Colecção Olisiponense à CML, fomentou a ideia de um espaço acolhedor dedicado a Lisboa, tal como o era a sua casa à Rua da Lapa.  O GEO dispõe de um dos mais completos acervos bibliográficos, cartográficos, iconográficos e arquivísticos sobre Lisboa, o qual resulta em grande parte da acumulação de valiosos arquivos pessoais de  entre os quais se destacam, além do do próprio Augusto Vieira da Silva, o de outros reputados olisipógrafos como Matos Sequeira, Pastor de Macedo, Tinop e de figuras ilustres de Lisboa como Duarte Pacheco, os quais são acessíveis ao público através do Serviço de Leitura e Referência.

2.   Galeria de Arte Urbana

Criada pela Câmara Municipal de Lisboa, em outubro de 2008, aquando de um vasto programa de reabilitação do Bairro Alto, a Galeria de Arte Urbana assume-se como um espaço de liberdade criativa dedicado ao graffiti e à street art enquanto expressões de arte urbana. Sob a tutela do Departamento de Património Cultural, desenvolve uma estratégia para este universo plástico, em distintas linhas de atuação, entre as quais se destacam uma vertente de intervenção artística propriamente dita, que implica intervenções em espaços legalizados como muros, empenas, fachadas e outros suportes urbanos; um campo de divulgação, sensibilização e pedagogia para o problema da salvaguarda do património artístico e cultural de Lisboa; um domínio de apoio à investigação e à publicação de estudos académicos dedicados a esta matéria; uma área de inventariação dos registos de arte urbana desde o 25 de Abril de 1974 até à atualidade. Trabalhando dentro deste universo artístico, com todas as gerações de criadores nacionais e com alguns dos mais reconhecidos criadores internacionais, a GAU tem procurado não só revitalizar esteticamente alguns espaços na cidade, como alertar para a premência da conservação e restauro dos bens patrimoniais.

3.   Centro de Arqueologia de Lisboa 

Inaugurado no dia 3 de Junho de 2013, o Centro de Arqueologia de Lisboa é um equipamento cultural municipal, polivalente e multidisciplinar, sede operacional das competências legais da autarquia em matéria de Arqueologia. O seu objetivo principal é dar um impulso forte à Arqueologia na cidade, à sua valorização e divulgação.

4.   Escola das Gaivotas 

O novo Polo Cultural Gaivotas | Boavista, situado no eixo Cais do Sodré – Santos, é composto por dois equipamentos culturais: a Escola das Gaivotas e as Residências da Boavista. Com sede na Escola das Gaivotas, o Polo disponibiliza nesse edifício um centro de criação cultural constituído por salas de ensaio (música, teatro, dança e performance) e de formação, e por um conjunto de salas de escritório para sedes de entidades de produção cultural. O Polo, através das Residências da Boavista, disponibiliza, ainda,um conjunto de apartamentos, nos quais se receberão artistas, nacionais e estrangeiros, não residentes em Lisboa, que aqui se encontrem em processo de criação artística.

 

Museus

1. Museu do Aljube 

O Museu do Aljube - Resistência e Liberdade é dedicado à memória do combate à ditadura e da resistência em prol da liberdade e da democracia. É um museu municipal que pretende preencher uma lacuna no tecido museológico português, projetando a valorização dessa memória na construção de uma cidadania responsável e assumindo a luta contra a amnésia desculpabilizante e, quantas vezes, cúmplice da ditadura que enfrentámos entre 1926 e 1974.

2. MUDE - Museu do Design e da Moda 

O MUDE - Museu do Design e da Moda, Coleção Francisco Capelo inaugurou no dia 21 de maio de 2009. Na sua origem esteve a aquisição pelo Município de Lisboa da coleção de design de produto e design de moda de Francisco Capelo, reconhecido colecionador de arte. Para além de aprofundar o estudo da referida coleção, garantindo as melhores condições para a sua conservação, investigação, apresentação, divulgação e internacionalização, o MUDE é hoje um museu dedicado a todas as expressões do design, com áreas de exposição, criação, convívio, educação e debate.

3. Museu Bordalo Pinheiro 

O Museu tem origem na importante coleção bordaliana reunida pelo poeta e panfletário republicano Cruz Magalhães, que, em 1913, encomenda o projeto para a moradia do Campo Grande, iniciando aí a instalação da coleção. Atualmente  o Museu Bordalo Pinheiro reúne a mais completa coleção bordaliana: 1200 peças de cerâmica; 3500 exemplares de gravura; 3000 originais, entre desenho e pintura; 900 fotografias de época; e mais de 3000 publicações.


4. Museu de Lisboa

Museu de Lisboa é o novo nome do Museu da Cidade. Um nome que traz consigo um novo conceito, o de um museu polinucleado, no qual Lisboa e as suas histórias se revelam sob diferentes perspetivas. São cinco os núcleos do Museu de Lisboa: Palácio Pimenta, Teatro Romano, Santo António, Torreão Poente e Casa dos Bicos. Cinco espaços distintos, com valências e objetivos complementares, que partilham uma missão, uma identidade e uma nova imagem. O propósito é o de revelar Lisboa de diferentes formas, para dar a conhecer a riqueza de uma das cidades mais antigas da Europa.

    4.1.    Palácio Pimenta 

    4.2.    Santo António 

    4.3.    Teatro Romano 

    4.4.    Torreão Poente 

    4.5.    Casa dos Bicos Galerias Romanas

Mapa Lisboa

Newsletter
ARTEMREDE - Teatros Associados
Palácio João Afonso
Rua Miguel Bombarda, 4 R/C
2000-080 Santarém
Portugal
T. 243 322 050 / 243 321 878

Log in